Invertidas são um passeio pelo meu medo

Mãos no chão, lanço as pernas pra cima e o momento em que o peso do quadril começa a passar a linha dos ombros é o momento que eu sinto que estou fadada ao fracasso. Não tem jeito, tudo depende dessas duas coisas que eu chamo de braços, e também das mãos, e dos dedos e ombros, esse monte de tecido, músculo e ossos que em algum lugar vai falhar. Se a força não me deixar na mão, vai ser o equilíbrio, eu tenho certeza. Talvez eu caia de cabeça, ou pro lado, vou cair em cima da planta. A mão era pra ficar desse jeito? Eu devia ter pesquisado como é a lesão no pescoço de quem caiu de cabeça desse jeito pra saber melhor dos riscos. Já pensou o Fabio chegar em casa e me encontrar caída aqui no chão, sei lá, acho que o afastamento das mãos não era esse e eu vou machucar os punhos.

Os pés voltam pro chão, acabou. Pode ter passado dois segundos ou um minuto, mas o que quer que tenha acontecido na viagem dos pés pro céu já não tem sentido nenhum. É outra vida, alegria, segurança e tentar de novo.

Não queria sentir medo ao ficar de cabeça pra baixo, mas tem também o lado bom de ter esse momento de risco calculado para poder olhar pra essa emoção.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s